Um momento de emoção na última desta sexta-feira (01/12), data em que a Defensoria Pública realizou solenidade de descerramento do retrato do diretor da ADEP-MG e defensor público aposentado, Varlen Vidal, que compõe agora a galeria dos ex-defensores públicos-gerais. O evento contou com a participação de familiares, diretores da ADEP-MG e defensoras e defensores que prestaram homenagens ao ex-defensor público-geral.

Abrindo a fala, a conselheira Andréa Abritta, autora do requerimento que conferiu o reconhecimento ao homenageado, revelou que havia uma falha na história da Defensoria Pública, sanada agora com a devida homenagem e reconhecimento ao trabalho do ex-defensor público-geral Varlen Vidal, desenvolvido durante um período turbulento da história da Defensoria mineira.

“A gente sabe como foi sofrido, como foi penoso, como foi difícil e você, com sua elegância de espírito, inteligência, sensibilidade e seu sangue verde, conduziu com galhardia a nossa classe, evitando uma crise terrível que podia ter destruído a gente naquele momento e você com as forças que tinha soube manter a classe unida”, disse Andréa Abritta.

Emocionado, Varlen Vidal falou aos presentes sobre os momentos difíceis enfrentado enquanto esteve à frente da Defensoria Pública de Minas Gerais, entre 09/05/2008 e 09/09/2008. Naquele ano, o Supremo Tribunal Federal declarou inconstitucional artigos da Lei Orgânica da DPMG, resultando na exoneração de diversas defensoras e defensores públicos.

“Da noite para o dia, várias comarcas ficaram sem defensores públicos e algumas que tinham defensores e que eram deficitárias, ficaram ainda mais deficitárias, e ficamos sem defensor público-geral. Nós tínhamos que chamar a responsabilidade para nós, pois a Defensoria Pública teve uma exposição muito grande e tínhamos que defender a nossa autonomia e mostrar que éramos capazes de vencer mais essa dificuldade”, disse Varlen Vidal.
Ainda em sua fala, o homenageado falou sobre o importante trabalho desenvolvido pelo Conselho Superior, agradeceu a conselheira Andréa Abritta, e ao carinho que recebe na Defensoria Pública.

“A gente sai da Defensoria Pública, mas a Defensoria Pública não sai da gente. E realmente isso é verdade, vocês vão levar ela para vida toda. Tenho muito orgulho de ter participado da Defensoria Pública, pois foi um momento muito feliz da minha vida. Amo vocês pelo carinho que me recebem aqui dentro”, afirmou.

 

Em sua fala, a presidenta da ADEP-MG, Marolinta Dutra, também fez coro sobre a importância histórica do homenageado para a continuidade e crescimento da DPMG.

“Você segurou as rédeas da Defensoria Pública que estava em uma desabalada carreira rumo ao precipício, você segurou a Defensoria e a fez retroceder e colocou-a novamente nos trilhos rumo a Defensoria Pública que temos hoje. Muito obrigada e parabéns pela merecida homenagem”, afirmou a presidenta da ADEP-MG.

A defensora pública-geral, Raquel da Costa Dias, destacou o trato cordial e a disponibilidade do homenageado com os colegas e com os assistidos, características essenciais para superar os momentos de adversidade enfrentado pela defensoria.

“Deus te colocou naquele momento tão difícil para conduzir a nossa Instituição porque mais do que técnica, precisava de sabedoria, discernimento, equilíbrio, paciência e você teve tudo isso para blindar e fazer com que a gente seguisse no caminho da retidão, da prosperidade e do avanço, ainda com todos os percalços”, destacou a defensora pública-geral.

 

Fotos: Marcelo Sant’Anna/DPMG

 

Outras notícias